Quais são as opções de tratamentos disponíveis?

Mudanças comportamentais e no estilo de vida:

A primeira e mais importante forma de tratar o excesso de peso é adotar um estilo de vida saudável, com menor ingestão de calorias e aumento das atividades físicas – esse equilíbrio, além de ajudar no quadro de obesidade, facilita a manutenção da saúde. Vale lembrar que mudanças no estilo de vida exigem, também, mudanças de comportamento e muitas vezes psicológicas. Nenhum outro tratamento será eficaz sem esses dois principais pilares. Descubra aqui abordagens para uma alimentação mais saudável e uma vida mais ativa.

Tratamento farmacológico:

Existem atualmente medicamentos aprovados em bula para tratamento da obesidade no Brasil. Como toda doença crônica, o tratamento farmacológico inicia-se na prevenção secundária para impedir a progressão da doença para um estágio mais grave e prevenir complicações (veja na tabela abaixo), e deve ser mantido para evitar o reganho do peso. O tratamento deve ser individualizado, sob supervisão médica contínua e mantido quando seguro e efetivo.²³ 

O tratamento farmacológico deve ser uma ajuda extra às terapias dirigidas com foco na mudança dos hábitos de vida. Os pacientes devem receber orientações nutricionais e também orientações sobre o aumento de exercícios físicos. As mudanças de estilo de vida e comportamentais são fundamentais e o tratamento farmacológico não deve ser usado como único tratamento na ausência de outras medidas.²³

Tratamento cirúrgico:

A cirurgia bariátrica é um recurso consistente nos casos de obesidade grave com falha documentada de tratamento clínico, proporcionando aos pacientes uma redução nos índices de mortalidade e melhora de comorbidades clínicas. Pacientes com IMC igual ou superior a 40 kg/m² apresentam uma diminuição da expectativa de vida e um aumento da mortalidade por causa cardiovascular, que pode chegar a 190%.²³

As indicações formais para operações bariátricas são: idade de 18 a 65 anos, IMC maior a 40 kg/m² ou 35 kg/m² com uma ou mais comorbidades graves relacionadas com a obesidade (nas quais a perda de peso induzida em que cirurgicamente é capaz de melhorar a condição) e documentação de que os pacientes não conseguiram perder peso ou manter a perda de peso apesar de cuidados médicos apropriados realizados regularmente há pelo menos dois anos (dietoterapia, psicoterapia, tratamento farmacológico e atividade física).²³


É importante ressaltar que somente o médico pode indicar o tratamento adequado a cada pessoa, por isso é indispensável a ajuda profissional para vencer a obesidade. 

Tratamento clínico da obesidade

A principal razão para o ganho de peso é uma ingestão de energia maior do que o gasto do organismo. Por isso, a forma mais simples de tratar o excesso de peso é adotar um estilo de vida saudável, com menor ingestão de calorias e aumento das atividades físicas – esse equilíbrio, além de ajudar a reverter o quadro de obesidade, facilita a manutenção da saúde. Vale lembrar que mudanças no estilo de vida exigem, também, mudanças de comportamento, e algumas pessoas podem precisar de ajuda profissional, como um psicólogo ou terapeuta.

Download the Chart Your Personal Weight History handout.

Abordagens para uma alimentação mais saudável e aumento da atividade física

Abordagens para uma alimentação mais saudável e para exercícios físicos.

 

1. Entre no ritmo

• Comece fazendo caminhadas curtas e gradualmente aumente o tempo e/ou a distância.

• Concentre-se na sua postura com a cabeça erguida, abdome para dentro e ombros relaxados.

• Nos primeiros minutos, faça um aquecimento em um ritmo lento.

• Caminhe pela calçada, com roupas leves, coloridas ou refletivas.

• Se você sentir dor enquanto caminhar, pare e converse com seu médico.

 

2. Em proporção: Avaliando a alimentação saudável

• Separe porções pequenas de petiscos para comer quando você estiver com fome.

• Use um prato dividido em porções: 1/2 para vegetais ou frutas, 1/4 para grãos integrais e 1/4 para proteínas.

• Pense em reduzir as quantidades em vez de eliminar seus alimentos preferidos.

• Estabeleça horários regulares de alimentação para evitar comer em excesso mais tarde.

• Selecione suas porções para controlar a quantidade, colocando antes uma única porção em um recipiente, em vez de comer diretamente da embalagem.

 

3. Comendo com a família e os amigos: Jantando sem contar as calorias

• Substitua por alternativas saudáveis, como alimentos que são cozidos a vapor ou assados em vez de fritos.

• Recrute sua família e seus amigos para ajudá-lo(a) a fazer escolhas saudáveis.

• Em um restaurante à la carte, divida com os amigos a porção de entrada.

• Pesquise o cardápio do restaurante para conhecer as melhores opções.

• Peça que sua refeição seja servida sem molhos, manteiga ou margarina.

 

4. Em movimento: Mantendo-se saudável fora de casa

• Prepare petiscos saudáveis não-perecíveis.

• Peça água para beber durante as refeições, se estiver jantando fora.

• Leve uma refeição preparada em casa para comer no avião ou no carro.

• Peça porções menores nos restaurantes.

• Encontre tempo e lugares para fazer caminhadas, como no aeroporto.

 

5. Compra inteligente: Mantendo a sua cesta cheia e fresca

• Faça uma lista baseada nos seus planos de refeições.

• Faça compras após uma refeição.

• Quando possível, compre alimentos frescos.

• Leia os rótulos nutricionais, com informações sobre o tamanho das porções, as calorias por porção e a quantidade de gordura saturada.

• Procure substitutos saudáveis. 

 

Baixe o material sobre trocas alimentares inteligentes.

Ele ajudará você a fazer substituições alimentares simples e a preparar os alimentos de forma mais saudável. Faça essas mudanças em seu cardápio para melhorar o bem-estar e a saúde do organismo.

file
Download the Goal Setting for Weight Management handout.

Alinhando suas expectativas sobre a perda de peso

Uma das principais razões de abandono do tratamento da obesidade são expectativas e objetivos irrealistas

 

Estalececendo metas adequadas para você

 

Traçar objetivos reais é muito importante para ter sucesso na sua jornada pela perda de peso.

Quando queremos mudar nosso estilo de vida, não é incomum começar abandonando completamente nossas rotinas atuais em favor de rotinas completamente novas. A maioria das pessoas estabelece metas pensando em atingir “o peso ideal” que, em muitos casos, não é recomendado para o seu corpo, e desconsideram o que deveria ser a principal motivação para a perda de peso: a saúde. O problema é que essas metas, muitas vezes inatingíveis, acabam levando à frustração e desmotivação, interrompendo as atitudes necessárias para a perda de peso.

Quando se trata de fazer pequenos ajustes em sua rotina e objetivos de perda de peso, como você sabe o que é realista?

Ter em mente que cada organismo tem seu ritmo e seu funcionamento próprio é fundamental no tratamento para obesidade. Alinhar as expectativas e evitar comparações ajuda a evitar frustrações durante o processo de perda de peso. É importante saber que os níveis dos hormônios de fome e saciedade costumam ser diferentes em pessoas com obesidade em relação às com o peso considerado adequado.

Foque em fazer pequenas mudanças. Ainda que você provavelmente tenha um alvo em mente, quebrar o seu objetivo final de perda de peso em passos menores pode deixar o processo mais acessível. Esses objetivos de curto prazo podem ser os marcos do seu progresso—portanto comemore cada um deles! Perder menos pode ser um resultado melhor do que perder muito peso, se essa perda de peso puder ser mantida a longo prazo.

 

Clique na imagem para fazer o download do material que te ajudará no estabelecimento de metas e no controle do seu histórico de peso. 

file
file
Download the Approaches for healthier eating and physical activity handout

Auxílio extra

Auxílio extra

A obesidade é uma doença crônica e está longe de ser apenas um desafio individual a ser superado. Encarar a dificuldade em perder peso como falta de força de vontade é subestimar a doença e pode causar frustrações. Em todas as faixas etárias a comunicação é a chave. O apoio de profissionais de saúde pode ajudar os pacientes a alcançar e manter perda de peso clinicamente significativa e há́ evidências de que as discussões iniciadas pelo médico motivam os pacientes a perderem peso e mudar de comportamento.

O sobrepeso associado a doenças e a obesidade fazem parte da área de atuação da Endocrinologia e Metabologia, sendo o endocrinologista o especialista habilitado a tratar desses pacientes. O endocrinologista é o profissional que estuda as ordens do sistema endócrino, ou seja, o conjunto de glândulas responsáveis pela produção de hormônios. Para o tratamento da obesidade, o profissional integra a endocrinologia e metabologia apoiado em alguns pilares em busca de maior qualidade de vida e longevidade: exercícios físicos regulares, alimentação saudável, modulação hormonal, saúde do sono e manejo do estresse. Somente um endocrinologista pode prescrever o tratamento indicado para cada paciente.


 Referências: 
1. 
WHO. Consultation on Obesity 1998 http://whqlibdoc.who.int/hq/1998/WHO_NUT_NCD_98.1(p1-158).pdf. Acesso em: 06.11.2014. 2. Prospective Studies Collaboration, Whitlock G, Lewington S, et al. Body-mass index and cause-specific mortality in 900 000 adults: collaborative analyses of 57 prospective studies. Lancet. 2009; 373(9669):1083-1096. 3. WHO. Obesity and Overweight Factsheet no. 311. Available at: www.who.int/mediacentre/factsheets/fs311/en/. Acesso em: 10.04.15. 4. Vigitel Brazil 2014, Ministry of Health. Available at: www.ans.gov.br/images/stories/Materiais_para_pesquisa/Materiais_por_assunto/2015_vigitel.pdf. Acesso em: 06.15.16. 5. National Health and Medical Research Council (2013) Clinical practice guidelines for the management of overweight and obesity in adults, adolescents and children in Australia. Melbourne: National Health and Medical Research Council. 6. Guh DP, Zhang W, Bansback N, Amarsi Z, Birmingham CL, Anis AH. The incidence of co-morbidities related to obesity and overweight: a systematic review and meta-analysis. BMC Public Health. 2009; 9:88. 7. Must A, Spadano J, Coakley EH, Field AE, Colditz G, Dietz WH. The disease burden associated with overweight and obesity. JAMA. 1999; 282(16):1523-1529. 8. Li C, Ford ES, Zhao G, Croft JB, Balluz LS, Mokdad AH. Prevalence of self-reported clinically diagnosed sleep apnea according to obesity status in men and women: National Health and Nutrition Examination Survey, 2005-2006. Prev Med. 2010; 51(1):18-23. 9. Bhaskaran K, Douglas I, Forbes H, dos-Santos-Silva I, Leon DA, Smeeth L. Body-mass index and risk of 22 specific cancers: a population-based cohort study of 5.24 million UK adults. Lancet. 2014; 384(9945):755-765. 10. Sumithran P, Prendergast LA, Delbridge E, et al. Long-term persistence of hormonal adaptations to weight loss.N Engl J Med. 2011; 365(17):1597-1604. 11. Stunkard AJ, Harris JR, Pedersen NL, McClearn GE. The body-mass index of twins who have been reared apart. N Eng J Med 1990; 322:1483-7. 12. Silventoionen K, Rokholm B, Kaprio J, Sorensen T. The genetic and environmental influences on childhood obesity: a systematic review of twin and adoption studies. Int J Obes (Lond) 2010; 34:29-40. 13. Allison DB, Kaprio J, Korkeila M, et al. The heritability of body mass index among an international sample of monozygotic twins reared apart. Int J Obes Relat Metab Dis 1996; 20:501–6. 14. Allison DB, Faith MS, Nathan JS. Risch’s lambda values for human obesity. Int J Obes Relat Metab Disord 1996; 20:990–9. 15. Herrera B, Keildson S, Lindgren C. Genetics and epigenetics of obesity. Maturitas 2011; 69:41-49. 16. World Health Organization. Obesity and overweight, Fact sheet N°311, Updated January 2015. Available at www.who.int/mediacentre/factsheets/fs311/en/ 17. Sumithran P, et al. N Engl J Med 2011; 365:1597–1604. Schwartz A, et al. Obes Rev 2010; 11:531–547. 18. Knowler WC, Barrett-Connor E, Fowler SE, et al; for the Diabetes Prevention Program Research Group. Reduction in the incidence of type 2 diabetes with lifestyle intervention or metformin. N Engl J Med. 2002; 346(6):393-403. 19. Wing RR, Lang W, Wadden TA, et al. Benefits of modest weight loss in improving cardiovascular risk factors in overweight and obese individuals with type 2 diabetes. Diabetes Care. 2011; 34(7):1481-1486. 20. Dattilo AM, Kris-Etherton PM. Effects of weight reduction on blood lipids and lipoproteins: a meta-analysis. Am J Clin Nutr. 1992; 56(2):320-328. 21. Tuomilehto H, Seppa J, Uusitupa M, et al. The impact of weight reduction in the prevention of the progression of obstructive sleep apnea: an explanatory analysis of a 5-year observational follow-up trial. Sleep Med. 2014; 15(3):329-335. 22. Foster GD, Borradaile KE, Sanders MH, et al; for the Sleep AHEAD study. Arch Intern Med.2009; 169(17):1619-1626. 23. ABESO. Diretrizes Brasileiras de Obesidade 2016. http://www.abeso.org.br/uploads/downloads/92/57fccc403e5da.pdf. Acesso em: 05/09/2017.  24. Obesity Education Initiative; National Heart, Lung, and Blood Institute; National Institutes of Health; US Department of Health and Human Services. Clinical Guidelines on the Identification, Evaluation, and Treatment of Overweight and Obesity in Adults: The Evidence Report. Bethesda, MD: National Institutes of Health; 1998. NIH publication 98-4083. 25. World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation. World Health Organ Tech Rep Ser. 2000;894:1-253. 26. Jensen MD, Ryan DH, Donato KA, et al. Executive summary: guidelines (2013) for the management of overweight and obesity in adults: a report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines and the Obesity Society published by the Obesity Society and American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines. Based on a systematic review from the Obesity Expert Panel 2013. Obesity (Silver Spring) 2014; 22: Suppl 2: S5-S39. 27. American Medical Association. AMA adopts new policies on second day of voting at annual meeting. Viewed 11th August 2015, www.ama-assn.org/ama/pub/news/news/2013/2013-06-18-new-ama-policies-annual-meeting.page28. Knowler WC, Barrett-Connor E, Fowler SE, et al. Reduction in the incidence of type 2 diabetes with lifestyle intervention or metformin. N Engl J Med 2002; 346:393-403. 29. Li G, Zhang P, Wang J, et al. Cardiovascular mortality, all-cause mortality, and diabetes incidence after lifestyle intervention for people with impaired glucose tolerance in the Da Qing Diabetes Prevention Study: a 23-year follow-up study. Lancet Diabetes Endocrinol 2014; 2: 474-80. 30. Warkentin LM, Das D, Majumdar SR, Johnson JA, Padwal RS. The effect of weight loss on health-related quality of life: systematic review and meta-analysis of randomized trials. Obes Rev 2014; 15:169-82. 31. Wing R, Lang W, Wadden T. Beneftis of modest weight loss in improving cardiovascular risk factors in overweight and obese individuals with type 2 diabetes. Diabetes Care 2011; 34:1481-6. 32. Gaesser G, Angadi S, Sawyer B. Exercise and diet, independent of weight loss, improve cardiometabolic risk profile in overweight and obese individuals. Phys Sportsmed 2011; 39(2):87–97. 33. Purcell K, Sumithran P, Prendergast L, Bouniu C Delbridge E, Proietto J. The effect of rate of weight loss on long-term weight management: a randomized controlled trial. Lancet Diabetes Endocrinol 2014; 2:954-62. 34. Kaufer-Horwitz M, Villa M, Pedraza J et al. Knowledge of appropriate foods and beverages needed for weight loss and diet of patients win an obesity clinic. Eur J Clin Nutr 2015; 69:68-72.  35. Pugeat M, Nader N, Hogeveen K, Raverot G, Déchaud H, Grenot C. Sex hormone-binding globulin gene expression in the liver: drugs and the metabolic syndrome. Molecular and cellular endocrinology. 2010;316(1):53–59. 36. Schwimmer JB, Deutsch R, Kahen T, Lavine JE, Stanley C, Behling C. Prevalence of fatty liver in children and adolescents. Pediatrics. 2006;118(4):1388– 1393. 37. Skinner AC, Perrin EM, Moss LA, Skelton JA. Cardiometabolic risks and severity of obesity in children and young adults. New England Journal of Medicine. 2015;373(14):1307-1317. 38. Taylor ED, Theim KR, Mirch MC, et al. Orthopedic complications of overweight in children and adolescents. Pediatrics. 2006;117(6):2167–2174. 39. Verhulst SL, Schrauwen N, Haentjens D, et al. Sleep-disordered breathing in overweight and obese children and adolescents: prevalence, characteristics and the role of fat distribution. Archives of disease in childhood. 2006. 40. Ball AK, Clarke CE. Idiopathic intracranial hypertension. The Lancet Neurology. 2006;5(5):433–442. 41. Kaplowitz PB, Slora EJ, Wasserman RC, Pedlow SE, Herman-Giddens ME. Earlier onset of puberty in girls: relation to increased body mass index and race. Pediatrics. 2001;108(2):347–353. 42. August GP, Caprio S, Fennoy I, et al. Prevention and treatment of pediatric obesity: an endocrine society clinical practice guideline based on expert opinion. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism. 2008;93(12):4576–4599. 43. Lau K, Höger P. Skin diseases associated with obesity in children. Bundesgesundheitsblatt, Gesundheitsforschung, Gesundheitsschutz. 2013;56(4):539–542. 44. Sahoo K, Sahoo B, Choudhury AK, Sofi NY, Kumar R, Bhadoria AS. Childhood obesity: causes and consequences. J Family Med Prim Care. 2015;4(2):187-192. 45. Koyuncuoğlu Güngör N. Overweight and Obesity in Children and Adolescents. Journal of Clinical Research in Pediatric Endocrinology. 2014;6(3):129–143. 46. Maheshwari A, Stofberg L, Bhattacharya S. Effect of overweight and obesity on assisted reproductive technology – a systematic review. Human reproduction update. 2007;13(5):433–444. 47. Norman JE, Reynolds RM. The consequences of obesity and excess weight gain in pregnancy. Proc Nutr Soc. 2011;70(4):450–456. 48. Ma RC, Chan JC, Tam WH, Hanson MA, Gluckman PD. Gestational diabetes, maternal obesity, and the NCD burden. Clin Obstet Gynecol. 2013;56(3):633-641. 49. Ovesen P, Rasmussen S, Kesmodel U. Effect of prepregnancy maternal overweight and obesity on pregnancy outcome. Obstetrics & Gynecology. 2011;118(2, Part 1):305–312. 50. Papachatzi E, Paparrodopoulos S, Papadopoulos V, Dimitriou G, Vantarakis A. Pre-pregnancy maternal obesity in Greece: A case–control analysis. Early human development. 2016;93:57–61. 51. O'Brien TE, Ray JG, Chan W-S. Maternal body mass index and the risk of preeclampsia: a systematic overview. Epidemiology. 2003:368–374. 52. Nuthalapaty FS, Rouse DJ, Owen J. The association of maternal weight with cesarean risk, labor duration, and cervical dilation rate during labor induction. Obstetrics & Gynecology. 2004;103(3):452–456. 53. Ye P, Zhu J, Yang Z. Maternal obesity and risk of stillbirth: a meta-analysis. Progress in Modern Biomedicine. 2010;10(3):521–527. 54. Cedergren MI. Maternal morbid obesity and the risk of adverse pregnancy outcome. Obstetrics & Gynecology. 2004;103(2):219-224. 55. Hod M, Kapur A, Sacks DA, et al. The International Federation of Gynecology and Obstetrics (FIGO) Initiative on gestational diabetes mellitus: A pragmatic guide for diagnosis, management, and care. International journal of gynaecology and obstetrics: the official organ of the International Federation of Gynaecology and Obstetrics. 2015;131:S173. 56. Yu Z, Han S, Zhu J, Sun X, Ji C, Guo X. Pre-pregnancy body mass index in relation to infant birth weight and offspring overweight/obesity: a systematic review and meta-analysis. PloS one. 2013;8(4):e61627. 57. Tie HT, Xia YY, Zeng YS, et al. Risk of childhood overweight or obesity associated with excessive weight gain during pregnancy: a meta-analysis. Archives of gynecology and obstetrics. 2014;289(2):247–257. 58. Gaillard R, Steegers EA, Duijts L, et al. Childhood cardiometabolic outcomes of maternal obesity during pregnancy: the Generation R Study. Hypertension. 2014;63(4):683–691. 59. Eriksson JG, Sandboge S, Salonen MK, Kajantie E, Osmond C. Long-term consequences of maternal overweight in pregnancy on offspring later health: findings from the Helsinki Birth Cohort Study. Annals of medicine. 2014;46(6):434–438. 60. Yuen M, Earle R, Kadambi B, Brancale J, Lui D, Kahan S, Kaplan LM. Poster T-P-3166: a systematic review and evaluation of current evidence reveals 195 obesity-associated disorders. Poster presented at: the 34th Annual Scientific Meeting of the Obesity Society; 31 October – 4 November 2016; New Orleans, LA. 2016. 61. Obesity Action Coalition (OAC). Understanding Obesity Stigma. 2017; http://www.obesityaction.org/wp-content/uploads/UOS_1-26-18-wo-bleed.pdf. Accessed July, 2018. 62. Prospective Studies Collaboration. Body-mass index and cause-specific mortality in 900 000 adults: collaborative analyses of 57 prospective studies. The Lancet. 2009;373(9669):1083–1096. 63. Hubert HB, Bloch DA, Fries JF. Risk factors for physical disability in an aging cohort: the NHANES I Epidemiologic Followup Study. The Journal of rheumatology. 1993;20(3):480–488. 64. Jenkins KR. Obesity's effects on the onset of functional impairment among older adults. The Gerontologist. 2004;44(2):206–216. 65. NCD Risk Factor Collaboration (NCD-RisC). Worldwide trends in body-mass index, underweight, overweight, and obesity from 1975 to 2016: a pooled analysis of 2416 population-based measurement studies in 128.9 million children, adolescents, and adults. The Lancet. 2017;390(10113):2627–2642. 66. Newton KM, Knopp RH. Gestational Diabetes and the Incidence of Type 2 Diabetes – A systematic review. Diabetes Care. 2002. 67. Clausen TD, Mathiesen ER, Hansen T, et al. High prevalence of type 2 diabetes and pre-diabetes in adult offspring of women with gestational diabetes mellitus or type 1 diabetes the role of intrauterine hyperglycemia. Diabetes Care. 2008;31(2):340–346. 68. NIH clinical guidelines on the identification, evaluation, and treatment of overweight and obesity in adults. Available here Last accessed: July 2018