Tratamento da obesidade – a doença é crônica e o tratamento é contínuo – Saúde Não Se Pesa

Pessoas com obesidade e vacinação contra a Covid-19: por que esse grupo foi considerado um dos prioritários?

A obesidade é uma doença crônica considerada fator de risco para o desenvolvimento de vários problemas de saúde, como diabetes, hipertensão e doenças cardíacas.2 Além disso, ela também é um dos fatores mais críticos para o agravamento do novo coronavírus, sobretudo entre os mais jovens – mesmo na ausência de outras doenças associadas.1,3 Não é à toa que o Ministério da Saúde a incluiu na lista de prioridade para a vacina.4 Saiba mais sobre obesidade e vacinação contra a Covid-19.

 

Estudos mostram associação entre obesidade e Covid-19

Desde o início da pandemia, dezenas de estudos relataram que muitos dos pacientes com quadros graves da Covid-19 eram pessoas com excesso de peso. Essa associação ficou mais evidente com a realização de grandes estudos populacionais.

O primeiro estudo desse tipo foi publicado em agosto de 2020. Uma equipe internacional de pesquisadores analisou dados de 75 estudos de todo o mundo, que incluíram cerca de 400 mil pacientes. Eles descobriram que em relação à Covid-19, pessoas com obesidade têm:5

 

  • 113% mais chances de hospitalização;
  • 74% mais necessidade de internação em uma unidade intensiva (UTI);
  • 48% mais risco de morte.

Em um estudo maior e mais recente, de abril de 2021, pesquisadores do Reino Unido analisaram registros de saúde de quase sete milhões de pessoas que tiveram Covid-19 na Inglaterra. Veja quais foram as principais conclusões:,6

 

  •  Índice de massa corporal - a partir do IMC de valor 23 (considerado normal), cada aumento de unidade no indicador elevou em 5% o risco de hospitalização e em 10% as chances de ir para a UTI;
  • Relação com outras doenças - os resultados dessa pesquisa foram independentes de outras condições de saúde, como a diabetes tipo 2; 
  • Idade - A relação de gordura corporal e pior evolução da Covid-19 é mais evidente nos mais jovens, na faixa de 20 a 39 anos.

 

% de adolescentes com obesidade no Brasil

O que explica a relação entre obesidade e Covid-19?

O que, afinal, torna a obesidade um possível agravante nas infecções pela Covid-19? Não existe uma resposta única.11 Veja algumas das explicações:

Desequilíbrio da imunidade - a obesidade causa uma inflamação crônica, que afeta o sistema imunológico. Quando somada a uma infecção como a do novo coronavírus, pode haver uma resposta exagerada do sistema imune, mas de uma forma prejudicial, que dificulta o combate ao patógeno.2

Menor capacidade respiratória – devido ao acúmulo de gordura no abdômen e tórax, há compressão do diafragma e restrição do fluxo de ar pulmonar. Esse comprometimento da função pulmonar predispõe a infecções e facilita complicações locais.11

Formação de coágulos - a obesidade deixa o organismo exposto à formação de coágulos sanguíneos, e esse risco é potencializado com a Covid-19. A formação de coágulos dentro de uma veia ou artéria pode bloquear a passagem de sangue e causar problemas sérios, como trombose, embolia pulmonar e AVC.11

Vírus na gordura - pesquisadores acreditam que as células gordurosas funcionam como reservatório do novo coronavírus, mantendo-o no organismo por mais tempo.3

Condições médicas associadas - além do risco direto, a obesidade pode se associar a outras condições que reconhecidamente contribuem para o agravamento da Covid-19, como diabetes, hipertensão e doenças cardíacas.5

Dificuldades no hospital - os desafios do excesso de peso se acentuam em uma internação pelo novo coronavírus. É mais complicado realizar intubação, quando necessário. Com frequência, os estabelecimentos de saúde não estão preparados para atender esses pacientes: o leito não é apropriado, não há equipamentos adequados para o transporte e há limite de peso nos aparelhos de tomografia, necessários para avaliar o quanto o pulmão foi comprometido pelo vírus.1

 

Obesidade e Covid-19: quem está em risco?

O critério mais utilizado para diagnosticar e classificar a obesidade é o índice de massa corporal (IMC). Para calcular o IMC, basta dividir o peso em quilogramas pelo quadrado da altura em metros.5 A classificação da obesidade é feita da seguinte forma:

 

  • Obesidade grau 1 – IMC entre 30 e 34,9;
  • Obesidade grau 2 – IMC entre 35 e 39,9;
  • Obesidade grau 3 – IMC igual ou superior a 40.

Embora pessoas com qualquer grau de obesidade sejam mais propensas a ter complicações da Covid-19, os riscos aumentam na medida em que o IMC aumenta.1 Então, no Plano Nacional de Vacinação contra a Covid-19, que contém as diretrizes do Ministério da Saúde, somente a obesidade grau 3 foi incluída na lista de condições prioritárias para a imunização.4

 

Obesidade e Covid-19: o que pode acontecer se não tomar a vacina?

A Covid-19 é uma grande ameaça para quem ainda não foi vacinado, pois a pessoa pode ficar seriamente doente e necessitar de internação hospitalar. Além disso, mesmo depois de se recuperar, ainda pode enfrentar vários problemas de saúde durante semanas ou por mais tempo. Isso é possível de acontecer mesmo com quem foi infectado pelo novo coronavírus e não teve sintomas.12

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) - que é a agência internacional de saúde especializada para as Américas e que atua como escritório da Organização Mundial da Saúde (OMS) nessa região - recomenda que as pessoas tomem a vacina que for autorizada e disponibilizada pelas autoridades de saúde de cada país.13

Isso deve ser feito mesmo por quem já teve Covid-19, pois está comprovado que a reinfecção pode acontecer. Inclusive, existe a possibilidade de quem já foi vacinado ser infectado e transmitir o vírus. A diferença, nesse caso, é que a vacina pode evitar que a pessoa desenvolva a doença ou, então, que ela tenha manifestações graves e até corra risco de morte. Por isso, é importante, mesmo vacinado, manter as medidas de proteção, como o uso de máscara, higienização pessoal e distanciamento social.14

Também é muito importante completar o esquema vacinal, ou seja, tomar as duas doses da vacina contra Covid-19. Se alguém, por algum motivo, não tomar a segunda dose na data marcada, deve procurar fazer isso o mais rápido possível. Além disso, é fundamental que a segunda dose seja da mesma vacina que foi tomada na primeira dose.14

Referências: 1. Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica - Abeso. Imunização contra covid-19 em pessoas com obesidade. https://abeso.org.br/imunizacao-contra-covid-19-em-pessoas-com-obesidade/. Acesso em: 18/06/2021.2. Endocrine Society. Obesity may alter immune system response to COVID-19. https://www.endocrine.org/news-and-advocacy/news-room/2020/obesity-may-alter-immune-system-response-to-covid19. Acesso em: 18/06/2021. 3.FAPESP. Obesity implies high risk of severe COVID-19 regardless of age, sex, ethnicity and pre-existing diseases. https://agencia.fapesp.br/obesity-implies-high-risk-of-severe-covid-19-regardless-of-age-sex-ethnicity-and-pre-existing-diseases/34343/. Acesso em: 18/06/2021.4.Ministério da Saúde. Plano Nacional de Operacionalização da Vacina Contra a Covid-19. https://www.gov.br/saude/pt-br/media/pdf/2021/marco/23/plano-nacional-de-vacinacao-covid-19-de-2021. Acesso em: 18/06/2021.5.Popkin BM, Du S, Green WG et al. Individuals with obesity and COVID-19: A global perspective on the epidemiology and biological relationships. Obesity Reviews. https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/obr.13128. Acesso em: 18/06/2021.6.Gao M, Piernas C, Astbury NM et al. Associations between body-mass index and COVID-19 severity in 6·9 million people in England: a prospective, community-based, cohort study.7.https://www.thelancet.com/journals/landia/article/PIIS2213-8587(21)00089-9/fulltext?utm_campaign=tlpr⦁ &⦁ utm_medium=email⦁ &⦁ _hsmi=124175749⦁ &⦁ _hsenc=p2ANqtz--IFB_zg6jV3RONt83JyBk9X4_cf8OR0gObhUTKwDYHKkH6KthGwXlkFPX8B0rNZxVs1ZDA7p7zGTF3oRnh_GCMU_liWQ⦁ &⦁ utm_content=124175749⦁ &⦁ utm_source=hs_email. Acesso em: 18/06/2021.8.Ministério da Saúde. Pesquisa do IBGE mostra aumento da obesidade entre adultos. https://www.gov.br/pt-br/noticias/saude-e-vigilancia-sanitaria/2020/10/pesquisa-do-ibge-mostra-aumento-da-obesidade-entre-adultos. Acesso em: 18/06/2021.9.Costa CS, Steele EM, Leite MA et al. Mudanças no peso corporal na coorte NutriNet Brasil durante a pandemia de covid-19. Revista de Saúde Pública. https://repositorio.usp.br/item/003032966. Acesso em: 18/06/2021.10.World Obesity Federation. Obesity and COVID-19: Policy statement. https://www.worldobesity.org/news/obesity-and-covid-19-policy-statement. Acesso em: 18/06/2021.11.World Obesity Federation. COVID-19 and Obesity: The 2021 Atlas. http://s3-eu-west-1.amazonaws.com/wof-files/2722_WOF_-_COVID-19_and_Obesity-The_2021_Atlas_WEB.pdf. Acesso em: 18/06/2021.12Brandão SCS, Godoi ETA, Cordeiro LHO et al. COVID-19 and obesity: the meeting of two pandemics. https://www.scielo.br/j/aem/a/qvcj6nBbpqwrZ5prHVTQHgN/?lang=en. Acesso em: 18/06/2021.13.Centers for Disease Control and Prevention - CDC. Benefits of Getting Vaccinated. https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/vaccines/vaccine-benefits.html. Acesso em: 02/07/2021.11.Pan American Health Organization - PAHO. Frequently Asked Questions: COVID-19 vaccines. https://www.paho.org/en/covid-19-vaccines/frequently-asked-questions-covid-19-vaccines. Acesso em: 02/07/2021.14.Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS. Vacinação Contra a COVID-19. https://www.conass.org.br/vacinacovid19/. Acesso em 02/07/2021.

Encontre o médico mais próximo de você.

Procure um médico

Se você tem dúvidas sobre seu peso ou IMC, busque uma orientação médica. Presencialmente ou de forma virtual, uma conversa com um médico pode ser o primeiro passo para começar a buscar mais qualidade de vida.