Diferença entre fome e vontade de comer

Nós precisamos de energia para fazer qualquer coisa, seja respirar, piscar os olhos, andar, pensar e até para o coração bater e as nossas células realizarem as funções delas. E essa energia vem dos alimentos que ingerimos, que também são fonte para diferentes nutrientes que o organismo necessita para funcionar. A forma como sabemos quando o nosso corpo precisa de mais alimentos para tudo isso é a fome, que pode ser confundida com a vontade de comer, embora os mecanismos delas sejam bem distintos.1, 2 Então, continue a leitura para saber a diferença entre fome e vontade de comer e o que pode levar você a sentir cada uma delas!

Diferença entre fome e vontade de comer - o que é fome?

A sensação de fome é uma reação fisiológica à falta de alimento.2 Essa reação envolve várias partes do nosso organismo e a produção de diferentes hormônios, cujos principais são a grelina e a leptina. Funciona assim: 1

Falta de alimento - quando ficamos algum tempo sem comer, o nosso sistema digestivo, especialmente o estômago, produz um hormônio chamado grelina;1

Produção de grelina - os níveis desse hormônio aumentam quando o estômago está vazio e quando o nível de glicose no sangue está baixo;1

Reações causadas pela grelina - aumento do apetite, da motilidade gástrica, ou seja, das contrações gastrointestinais durante o período em jejum, e da secreção de ácido gástrico;1,3

Sinais e sintomas da fome - alguns deles podem ser o chamado “estômago roncando”, tontura, mau humor, energia baixa, dificuldade de concentração e desconforto devido à fome;1

Saciedade - quando comemos o suficiente, as células de gordura secretam o hormônio leptina, sinalizando para o cérebro que já armazenamos calorias suficientes e os sinais de fome são reduzidos.1

Alimentos que saciam por mais tempo - os que têm muita fibra, proteína, gordura e carboidratos complexos, pois a absorção é mais lenta e a saciedade é mais prolongada;1

Alimentos que saciam menos - os muito processados, que têm bastante carboidrato simples, pois são rapidamente absorvidos e provocam fome rapidamente;1

Diferença entre fome e vontade de comer - o que é a vontade de comer?

Ao contrário da fome, a vontade de comer pode vir de estímulos ao nosso redor - como ver um alimento, sentir o cheiro dele - e até da simples lembrança de alguma comida. Ela pode estar ligada a estados emocionais, como o estresse, e não tem relação com a saciedade, sendo possível acontecer mesmo depois de uma refeição. A principal diferença entre fome e vontade de comer é que a segunda é um desejo estimulado pelo ambiente em que vivemos. Mas, como distinguir uma da outra? 2

    🗸 Alimentos que não comeria normalmente - se você sentir que poderia até comer algo que não escolheria normalmente, isso pode ser um sinal de que está com fome de fato;2

    🗸 Sinais e sintomas - geralmente, a fome vem acompanhada de ronco ou pontadas no estômago e, em alguns casos, de tontura, energia baixa, dificuldade de concentração, mal-estar e mau humor.1,2

    🗸 Bem-estar emocional - se você busca conforto, segurança, recompensar a si próprio, reduzir a ansiedade, aliviar o estresse, ou diminuir o tédio por meio da comida, é sinal de que não está com fome;3

    🗸 Desejos específicos - se você quer comer devido a um desejo forte por texturas, gostos e cheiros específicos, é sinal de que não é fome;3

    🗸 Sensação repentina - se, de repente, você tem uma sensação muito forte e urgente de que precisa comer algo, é sinal de que é vontade de comer, pois a fome surge de uma forma mais gradual.3

Diferença entre fome e vontade de comer - sinais errados de fome

Existem várias coisas que podem interferir nos sinais e sintomas normais da fome - como aspectos genéticos, questões de saúde física e mental e até influências do meio ambiente. A obesidade é uma delas, porque pode desregular os hormônios que fazem parte desse processo. Mas, também existem questões de saúde, como câncer e HIV, que podem diminuir a fome e fazer com que as pessoas não comam o suficiente e tenham fadiga, irritabilidade, deficiências nutricionais, perda de peso etc. e um risco maior de problemas de saúde graves e até de morte.1

Diferença entre fome e vontade de comer - gatilhos emocionais da vontade de comer

É importante aprender a identificar gatilhos emocionais que podem levar você a comer sem necessidade ou fazer determinadas escolhas na alimentação. Embora uma boa parte deles esteja ligado a sentimentos desagradáveis, também podem ser desencadeados por sentimentos positivos. Por exemplo, comemorar alguma coisa ou se recompensar por uma conquista. Veja mais alguns:4



Estresse

Não é apenas um gatilho emocional. Quando o estresse é crônico, o nosso corpo produz em grande quantidade um hormônio chamado cortisol, que aumenta o desejo por alimentos que dão energia e sensação de prazer, como doces e frituras;⁴



Emoções ruins

Comer pode ser usado para reprimir ou bloquear temporariamente raiva, medo, tristeza, ansiedade, solidão, vergonha, insatisfação, insegurança e sensação de vazio, entre outras;⁴



Influências sociais

Estar em uma situação em que as pessoas estejam comendo muito pode levar você a fazer o mesmo, por exemplo.⁴

Referências: 1. GI Society - Canadian Society of Intestinal Research. Hunger and Apetite. https://badgut.org/information-centre/a-z-digestive-topics/hunger-and-appetite/ . Acessado em: 30/09/2021. 2. Baker K. Appetite vs Hunger: What’s the Difference? Healthier. https://spoonuniversity.com/healthier/appetite-vs-hunger-what-the-difference . Acessado em: 30/09/2021. 3. Kitazawa T, Kaiya H. Regulation of Gastrointestinal Motility by Motilin and Ghrelin in Vertebrates. Frontiers in Endocrinology - Neuroendocrine Science. https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fendo.2019.00278/full . Acessado em 30/09/2021. 4. Smith M, Robinson L, Sega J, Segal R. Emotional Eating and How to Stop It. HelpGuide. https://www.helpguide.org/articles/diets/emotional-eating.htm . Acessado em: 30/09/2021.

Encontre o médico mais próximo de você.

Procure um médico

Se você tem dúvidas sobre seu peso ou IMC, busque uma orientação médica. Presencialmente ou de forma virtual, uma conversa com um médico pode ser o primeiro passo para começar a buscar mais qualidade de vida.