Obesidade aumenta o risco de doenças cardiovasculares
Obesidade aumenta o risco de doenças cardiovasculares

Obesidade aumenta o risco de doenças cardiovasculares

As doenças cardiovasculares são a causa número um de morte no Brasil e no mundo. E a obesidade é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento dessas condições que afetam o coração e os vasos sanguíneos, como infarto e derrame.  Para falar sobre o assunto, o Saúde Não Se Pesa convidou o Dr. Andre Feldman, médico cardiologista do Instituto Dante Pazzanese e coordenador de cardiologia dos Hospitais da Rede D'or São Luiz em São Paulo. 

SNSP - A obesidade aumenta os riscos de desenvolver doenças relacionadas ao coração? Caso positivo, quais e o que cada uma delas é?

DR. ANDRE FELDMAN - sim, a obesidade aumenta o risco de desenvolver doenças relacionadas ao coração e ao sistema cardiovascular. As principais delas são infarto, derrame e insuficiência cardíaca, que são doenças com alto risco de morte. 

Infarto é uma condição ocasionada por um entupimento de um vaso que leva sangue para o coração. Com a falta de irrigação de sangue, as células do coração morrem. Então, o infarto é a morte de uma parte do coração por conta da obstrução por uma placa de gordura.
Derrame cerebral (ou AVC, sigla para acidente vascular cerebral) é resultado de uma obstrução do fluxo de sangue no cérebro.
Insuficiência cardíaca é uma situação na qual o coração vai ficando cada vez mais fraco, perdendo a capacidade de bombear o sangue para suprir as células do organismo. Com isso, começam a surgir sintomas como cansaço, falta de ar e inchaço nas pernas.

SNSP - A obesidade pode alterar a estrutura, o tamanho e o funcionamento do coração?

DR. ANDRE FELDMAN – em caso de infarto, causado por um entupimento de uma artéria do coração, o órgão vai crescer, dilatar. Porque as células que sobraram tentam fazer a função das que morreram e, com isso, ficam sobrecarregadas. É por conta dessa sobrecarga que o coração cresce de tamanho e passa a bombear menos sangue.

Outra situação associada à obesidade que causa alterações no coração é a hipertensão. Ao contrair, o coração bombeia sangue para os vasos do organismo. Se esses vasos estão com pressão alta, ele terá que fazer uma força de contração maior para vencê-la. Isso sobrecarrega o órgão que, com o tempo, fica hipertrofiado (cresce de tamanho) e perde a capacidade de relaxar.

O coração é um músculo, suas células são musculares, e essa força extra para bombear é como uma musculação. Quando uma pessoa vai à academia e levanta peso, o braço fica cada vez mais hipertrofiado. Se ela é muito musculosa, consegue contrair o braço muito bem, mas não consegue esticá-lo direito, relaxar o músculo. É isso que ocorre com o coração em caso de pressão alta.

Para funcionar adequadamente, o coração precisa relaxar bem, para receber o sangue, e contrair bem, para ejetar esse sangue para os vasos. Se o coração não consegue relaxar, ele não recebe muito sangue e, consequentemente, também passa a ter dificuldade de bombeá-lo.

SNSP - A concentração de gordura em alguma parte específica do corpo é mais crítica para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares?

DR. ANDRE FELDMAN - a concentração da gordura na região abdominal é mais perigosa, porque está muito relacionada à concentração de gordura visceral – aquela que a gente não vê, localizada ao lado dos órgãos, dentro do organismo. 

Obesidade aumenta o risco de doenças cardiovasculares

SNSP - Existem exames que podem rastrear ou até ajudar a prevenir doenças cardiovasculares que possam ser feitos regularmente?

DR. ANDRE FELDMAN – os exames que utilizamos no dia a dia para rastrear e prevenir doenças cardiovasculares em pessoas com obesidade são, basicamente, os seguintes: 

Dosagem de colesterol – ela é importante nesses pacientes, pois existe uma relação direta entre obesidade e elevação de colesterol. A dosagem de colesterol permite avaliar a necessidade de fazer algum tipo de intervenção, como medicação.

Exames para identificar obstruções em vasos do coração - a obesidade está atrelada ao acúmulo de gordura na parede dos vasos do coração. Esse processo, chamado aterosclerose, é o que faz com que o paciente possa evoluir para o infarto. Existem três exames que podem ser utilizados para identificar a presença de um entupimento parcial em uma artéria do coração: 

    ✓ Teste ergométrico - também chamado de exame de esteira, no qual o paciente deve andar em uma esteira;

    ✓ Tomografia de coronária - exame de imagem que avalia os vasos do coração e possíveis placas de gordura neles;

    ✓ Cintilografia - uma substância (radioisótopo) é injetada em uma veia que vai ao coração e o paciente entra em um aparelho de tomografia. Se os vasos estiverem funcionando bem, todo o coração fica marcado com essa substância, ele aparece homogêneo na tomografia. Mas, se um vaso tiver uma obstrução, chega menos desse fármaco e aquela região aparece mais apagada no exame.

Ultrassom das carótidas – identifica a presença de eventuais placas de gordura nas carótidas, duas artérias que irrigam o cérebro, localizadas uma em cada lado do pescoço. Esta é uma forma de detectar e prevenir o risco de derrame, que é maior em pessoas com obesidade.

Ultrassom de abdome - possibilita identificar a presença de gordura ao redor do fígado, um fator de risco para doenças cardiovasculares. Então, esse é um marcador utilizado para rastrear e prevenir doença cardiovascular.

Exame de bioimpedância - utilizado para avaliar a porcentagem de massa magra (peso do corpo livre de gordura) e de massa gorda, ou seja, a taxa de gordura corporal do indivíduo. Quanto maior a taxa de gordura corporal e menor a de massa magra, maior o risco de doença cardiovascular.

SNSP - Pessoas com obesidade precisam ter cuidados de prevenção diferenciados em relação às doenças cardiovasculares?

DR. ANDRE FELDMAN – todos os cuidados recomendados para a população em geral em termos de hábitos de vida saudável, como alimentação e atividade física, são ainda mais importantes para pessoas com obesidade, pois elas têm maior risco de doença cardiovascular.

Os cuidados de prevenção em pessoas com obesidade também envolvem monitorar e controlar regularmente as doenças que aumentam o risco cardiovascular - como pressão alta, colesterol alto e diabetes -, pois elas têm grande relação com a obesidade e, somadas, aumentam ainda mais o risco do paciente.

Obesidade aumenta o risco de doenças cardiovasculares

SNSP - Uma pessoa com obesidade ou sobrepeso, mas que se alimenta de forma saudável, pratica exercícios físicos e possui níveis normais de colesterol pode ter uma boa saúde cardiovascular?

DR. ANDRE FELDMAN – esse conceito, que é o que chamam de “pessoa com obesidade metabolicamente saudável”, não existe. O paciente que está com obesidade ou sobrepeso, mas faz atividade física, o colesterol está bom e a pressão está normal, às vezes, fala assim: a gordura não está afetando em nada, parece que está tudo bem. Mas não está bem, porque a obesidade é um “mau investimento” para que essas alterações aconteçam no futuro.

Às vezes, esse indivíduo tem 25 ou 30 anos, é jovem, por isso o colesterol ainda não subiu. Mas, com o tempo, o diabetes vai vir, o colesterol vai subir, a pressão vai tender a subir, de uma forma muito mais precoce do que na população geral.

A pessoa ter obesidade hoje, mesmo que não tenha mais nada e faça atividade física, não significa que o risco dela não seja mais elevado do que quem não tem obesidade, pelo contrário. Então, essa boa saúde cardiovascular não é verdade, porque a tendência é essa condição mudar precocemente.

SNSP - Ao perder peso durante o tratamento para obesidade, de que forma se diminui o risco de doenças/eventos cardiovasculares?

DR. ANDRE FELDMAN – alguns estudos já comprovaram o quanto cada porcentagem de perda de peso traz de benefício para o paciente:

Perda de 5% do peso - a pessoa já melhora muito o controle da pressão e da glicose no sangue. Então, quem tem diabetes e quem tem pressão alta consegue melhorar esses fatores com essa redução de peso.

Perda de 5% a 10% do peso - a pessoa também já começa a melhorar os níveis de colesterol e diminui muito o risco de ela desenvolver diabetes.

    ✓ Além disso, essa taxa de perda de peso melhora ou diminui o risco de doenças relacionadas à obesidade em mulheres, como ovário policístico.

Perda de 10% a 15% do peso - além de todos os benefícios citados, como controle do colesterol, da pressão arterial e da glicose, a partir de 10% de redução de peso o paciente também diminui muito o risco de ter doença cardiovascular, incluindo infarto, derrame e insuficiência cardíaca.

    ✓ Também agrega melhora de quadros de artrose, principalmente dor articular no joelho e na coluna, que são muito comuns em pacientes com obesidade, pois ela sobrecarrega essas articulações.

    ✓ Além disso, também há uma melhora do refluxo, outra condição muito atrelada à obesidade. Na doença de refluxo, o conteúdo do estômago (suco gástrico), que é ácido, sobe para o esôfago, causando dor, incômodo ou até lesões na parede do esôfago.

Perda acima de 15% do peso – diminui-se o risco de morte do paciente. Sabemos que pacientes com obesidade tem uma sobrevida menor, uma morte mais precoce em relação a quem não tem obesidade. É possível aumentar essa sobrevida com reduções maiores do que 15%.

SNSP - No caso de crianças com obesidade, como prevenir o desenvolvimento de doenças cardiovasculares ao longo do crescimento?

DR. ANDRE FELDMAN – hoje, a obesidade é definida como uma doença crônica. É bem documentado que crianças com obesidade têm um grande risco de perpetuar a condição na vida adulta. Mas não é só isso. Uma criança que tem obesidade aos 10 anos de idade, por exemplo, comparada a um adulto que desenvolve a condição aos 30 ou 40 anos, tem pelo menos 20 anos a mais de exposição a esse excesso de peso e todas as consequências que ele traz.

Essa criança terá uma sobrecarga do coração e de todo o sistema cardiovascular desde cedo e, quando chegar aos 30 anos, ela já pode ter diabetes, por exemplo. Ao passo que se o paciente desenvolve obesidade aos 30, o diabetes só vai aparecer aos 50 ou 55 anos.

Portanto, é muito importante tratar a obesidade em crianças. Quanto mais precocemente tratarmos o paciente, menor é o tempo de exposição a essa condição e menor é o risco de ele desenvolver problemas como pressão alta, diabetes e colesterol alto de forma precoce. Existem medicações para o tratamento da obesidade aprovadas para crianças, então já temos recursos para esse público também.

SNSP - As doenças cardiovasculares decorrentes da obesidade têm cura ou, uma vez adquiridas, precisarão ser tratadas por toda a vida?

DR. ANDRE FELDMAN – para responder essa pergunta, precisamos lembrar que a obesidade é uma doença crônica. Atualmente não falamos em cura, mas em controle da condição, pois, muitas vezes,[PC1] [PC2]  a pessoa perde e reganha peso seguidamente. Então, é algo que ela precisa controlar para o resto da vida.

As condições decorrentes da obesidade que aumentam o risco cardiovascular – pressão alta, diabetes e colesterol alto –, se ainda estiverem em suas fases iniciais, podem ser revertidas com a perda de peso. Por exemplo, se o paciente está em uma fase de pré-diabetes e perde peso, ele consegue regredir a condição e ficar sem medicação. Da mesma forma, a pessoa que tem uma obesidade importante e uma alteração leve no colesterol, ao perder peso, baixa os valores do colesterol e pode parar de usar remédio para o problema.

Mas, se essas condições progridem, chega um momento em que, mesmo com a perda de peso, não é mais possível revertê-las.

Obesidade aumenta o risco de doenças cardiovasculares

BR22OB00168 - Dez./2022

Encontre o médico mais próximo de você.

Procure um médico

Se você tem dúvidas sobre seu peso ou IMC, busque uma orientação médica. Presencialmente ou de forma virtual, uma conversa com um médico pode ser o primeiro passo para começar a buscar mais qualidade de vida.