Mudanças comportamentais no estilo de vida

Não existe forma de se tratar o excesso de peso sem adotar um estilo de vida saudável, com menos consumo de alimentos calóricos e mais exercícios físicos.

Para crianças e adolescentes, modificar o estilo de vida significa mudar hábitos familiares, que muitas vezes são resultado de nossa forma de pensar. Por isso, é muito importante procurar um médico especialista que poderá indicar tratamentos auxiliares como: acompanhamento psicológico, uso de medicamentos, entre outros.

Não é preciso ir muito longe para sentir os benefícios.

Perder e manter o peso perdido, mesmo com taxas de 5% já traz grandes benefícios à saúde.

A partir de 5 %34

• Melhor taxa de colesterol HDL (o colesterol bom) • Melhor qualidade de vida • Menos gordura no fígado (esteatose hepática)

Entre 5 % e 10 %

• Melhora na função urinária • Menos dores nos ossos e articulações • Menos problemas de mobilidade com aumento da idade • Possível redução do risco de depressão

A partir de 10 % 34

• Menos chance de desenvolver doença no fígado não ligada ao consumo de álcool (esteato-hepatite não alcoólica)
• Menos problemas no coração e sistema circulatório

• Melhor taxa de colesterol HDL (o colesterol bom) • Melhor qualidade de vida • Menos gordura no fígado (esteatose hepática)

• Melhora na função urinária • Menos dores nos ossos e articulações • Menos problemas de mobilidade com aumento da idade • Possível redução do risco de depressão

• Menos chance de desenvolver doença no fígado não ligada ao consumo de álcool (esteato-hepatite não alcoólica)
• Menos problemas no coração e sistema circulatório

Dicas para mudar o estilo de vida

A jornada não acaba aqui

Ter uma alimentação saudável e praticar exercícios físicos é importante, mas pode não ser suficiente. Manter o peso ideal é um grande desafio. A ciência comprovou que, depois de perder peso, o corpo passa pelo menos 12 meses tentando recuperar os quilos perdidos.6 O metabolismo também costuma ficar mais lento após uma perda de peso significativa, contribuindo para o reganho de peso.11

Entenda melhor no vídeo abaixo:

Outra coisa a se pesar: as opções de tratamento

Não existe só uma maneira de se tratar a obesidade. Em crianças e adolescentes, para entender as causas e decidir que caminho seguir, é ainda mais importante ter o acompanhamento correto. Só o médico pode indicar o tratamento adequado. Por isso, é indispensável buscar ajuda profissional.

Uma coisa é certa: todo tratamento precisa começar com mudanças no estilo de vida, que vão da alimentação à prática de exercícios físicos. As alternativas também podem incluir tratamento medicamentoso e cirurgia bariátrica, também conhecida como redução do estômago.

Entenda a importância dos medicamentos no tratamento da obesidade

Tratamento com medicamento

A obesidade é uma doença crônica e progressiva e necessita de tratamento contínuo. Em alguns casos, o uso de medicamentos pode ser necessário. Só o médico responsável pelo paciente pode indicar a melhor opção de tratamento sob prescrição.1

Entenda como é o tratamento cirúrgico da obesidade.

Tratamento cirúrgico

A cirurgia bariátrica em adolescentes é restrita a duas condições principais: idade mínima de 16 anos e Z-IMC igual ou superior a +4 (em menores de 16 anos a cirurgia é considerada experimental).13

Nos mais jovens, a cirurgia pode levar a uma redução futura nas taxas de mortalidade e evitar o surgimento de outras doenças.13

Tratamento clínico da obesidade para adultos: diretrizes AHA/ACC/TOS/ABESO.7a,19

Tratamento com medicamento
Tratamento Cirúrgico

 

 

Com tratamento adequado, a obesidade pode ser controlada

Segundo pesquisa da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico- Vigitel (2019), em 13 anos, o número de pessoas com obesidade no Brasil cresceu 72%, afetando 20,3% da população. Os dados impressionam ainda mais se levarmos em consideração o número de pessoas com excesso de peso, que atinge 55,4% dos brasileiros.68 Entretanto, mudar essa realidade exige esforço, dedicação, apoio de pessoas próximas, acompanhamento de especialistas e, quando necessário, tratamento farmacológico ou cirúrgico.

 

Índice estimado pela OMS de crianças com obesidade ou sobrepeso.

 

A forma mais eficaz de se combater a obesidade é a mudança no estilo de vida, com hábitos saudáveis. Além de ajudar no controle da obesidade, uma dieta equilibrada aliada com exercício físico também pode auxiliar no controle de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) associadas ao excesso de peso.69

Intervenções medicamentosas podem ser consideradas quando medidas não farmacológicas não surtem efeito, contribuindo para o controle da doença e diminuição das comorbidades.70 

Entre as doenças associadas à obesidade estão doenças cardiovasculares, diabetes, distúrbios musculoesqueléticos e determinados tipos de câncer, como endometrial, de mama, ovário, próstata, fígado, vesícula biliar, rim e cólon.71

 

Gráfico com índice de pessoas com obesidade em 2006 e 2019.
Gráfico com índice de pessoas com excesso de peso em 2006 e 2019.

 

Em casos de obesidade grave e sem sucesso no tratamento clínico, a cirurgia bariátrica surge como opção, desde que indicada por um médico especialista – são levados em consideração o IMC, a idade, doenças associadas e tempo de obesidade.72

Vale ressaltar que a melhor forma de combater o excesso de peso e as comorbidades é por meio da mudança de hábitos e que o acompanhamento psicológico é fundamental para o sucesso das intervenções, seja ela não farmacológica, medicamentosa ou cirúrgica.73 Também é fundamental que pessoas próximas ao paciente contribuam para a perda de peso, oferecendo apoio sempre que necessário.

Encontre o médico mais próximo de você.

Procure um médico

Se você tem dúvidas sobre seu peso ou IMC, busque uma orientação médica. Presencialmente ou de forma virtual, uma conversa com um médico pode ser o primeiro passo para começar a buscar mais qualidade de vida.